SL Benfica – Um gigante a minguar?

No mês passado, foi publicado um estudo realizado por 3 investigadores do ISCTE, no qual foi feito um mapeamento das preferências clubísticas em Portugal em 2013 e no qual foi feito um paralelismo entre esses dados e dados relativos a 2003. Este estudo teve por base dois estudos considerados estatisticamente relevantes pelos autores. No entanto, como os resultados nesse estudo são consistentes com uma sondagem Intercampus realizada em finais de 2019 – https://observador.pt/2019/11/02/quase-metade-dos-portugueses-sao-do-benfica-porto-e-sporting-quase-empatados-em-segundo-lugar/ – creio que faz sentido escrutinar estes dados, mesmo tendo em conta que já se passaram vários anos. O estudo apresenta uma série de resultados interessantes, pelo que, no final do post, partilharei o link para quem o quiser consultar. Neste texto, vou apenas abordar alguns pontos que considero mais relevantes na ótica de adepto Benfiquista.

1. O primeiro resultado que gostaria de ressalvar é o Quadro 8 da imagem. Em 2003, 49% da população era Benfiquista, valor esse que decresceu 4.7% passados 10 anos, à custa de um crescimento de ambos os rivais. Por outras palavras, e extrapolando para toda a população portuguesa, significa isto que o Benfica perdeu perto de meio milhão de adeptos e simpatizantes para Porto e Sporting. Meio Milhão!

2. Infelizmente, se olharmos para os dados por idades (Quadro 3), a tendência não é animadora. Com efeito, observa-se que a idade média dos Benfiquistas é 46 anos, 3 anos mais alta que a dos Portistas, ou seja, a tendência é que o Porto continue a galgar terreno, dado que a população Benfiquista é mais envelhecida.

3. A Tabela 12, com a distribuição dos dados por regiões, representa mais um grupo de resultados que considero igualmente preocupantes. É que não é a Norte, onde naturalmente a maioria é Portista, que a quebra tem sido maior. De facto, na região norte, a percentagem de Benfiquistas caiu cerca de 3%, essencialmente devido ao aumento de Sportinguistas, mas é principalmente no Centro, em Lisboa e no Alentejo onde a quebra é mais acentuada. Ou seja, o Porto, mesmo assumindo-se marcadamente regional, tem ganho adeptos ao Benfica em todo o país.

Publicação 603

Os resultados deste estudo não deixam grandes dúvidas. A conclusão mais óbvia é que o Benfica tem vindo a perder influência na sociedade portuguesa. Os autores do estudo tentam ligar este fenómeno ao sucesso desportivo, algo que a meu ver não faz muito sentido, pois em 2003, o Benfica vinha de uma seca de títulos de quase uma década, e na década que se seguir, apenas por duas vezes o Benfica foi campeão. Mais ainda, entre 2003 e 2013, o Sporting foi o clube que mais cresceu, algo que não é coerente com o sucesso desportivo. Por isso, a minha interpretação é que este shift social se prende com outras causas.

Tradicionalmente, aquilo que fez do Benfica um clube ganhador sempre foi a sua grandeza e a paixão dos Benfiquistas, liderados geralmente por Benfiquistas com B grande.
* Nos primórdios, havia um bicho papão endinheirado que lutava contra o Benfica com um aporte financeiro incomparável. No entanto, o amor e o suor dos Benfiquistas, que eram muitos e resilientes, permitiu sempre que o Benfica se aguentasse, basta para isso ler a história por detrás da construção de alguns dos estádios do clube;
* Nos tempos de ditadura, o Benfica era um bastião de resistência e democracia (embora hoje se queira fazer à força do contrário uma verdade). Outra instituição teria ruído, já o gigante Benfica, enquanto clube do povo, não só não ruiu, como prosperou;
* Outros exemplos há, como a Operação Coração.
Não fosse o Benfica um clube com muitos adeptos apaixonados, os vários ataques motivados por ódios a que foi sujeito ao longo da História seriam mais que suficientes para o ter deitado abaixo. Perdendo-se a grandeza e a paixão, o Benfica como conhecemos deixa de existir. Os resultados deste estudo deveriam fazer soar os alarmes, pois demonstram que a tendência a longo-prazo é que o Benfica perca a grandeza.

Infelizmente, a mim parece-me que os alarmes não só continuam desligados, como se tem feito muito para combater o segundo destes pontos – a paixão. Eu queria evitar imputar os resultados deste estudo exclusivamente à direção do Benfica, mas a realidade é que a longo-prazo é nisto que se reflete a visão desta direção. Uma direção que em adeptos vê clientes, que em ídolos vê milhões, que em emoções vê marketing, e que em espontaneidade vê oportunidades de negócio e de culto da personalidade, em bom rigor, não se pode queixar destes resultados. De cada vez que um golo na Luz é festejado com música de discoteca, em cada festa no Marquês transformada em festival, em cada mudança feita para agradar aos chineses mesmo que desagrade aos Benfiqusitas, em cada um destes acontecimentos, promove-se a cultura do adepto da selfie em detrimento do adepto apaixonado. O problema maior é que não se está a combater só a paixão, está-se a combater também a grandeza. Adeptos apaixonados são capazes de influenciar pessoas, são capazes de apaixonar igualmente outras pessoas. Adeptos amorfos vivem o seu clubismo sozinhos ou com os seus, afastando a sua vida do clube na maior parte dos momentos.

Eu não tenho ilusões: esta tendência não vai mudar tão cedo. Se houvesse paixão em quem nos lidera, não haveria lugar para sorrisos para quem nos quer matar. Houvesse paixão, e a resposta aos ataques dos últimos anos não se cingiria a comunicados e declarações inócuos que procuram a mobilização em torno de um líder e não em torno de um clube, pois há matéria para muito mais. Hoje, a falta de paixão, que existe em excesso noutros lados porque é potenciada por um ódio ao mesmo de sempre, faz com que mentiras por outrem difundidas passem a verdades absolutas, mesmo sendo coisas fáceis de desmontar. Ora com o nome Benfica na lama, a tendência que aparece expressa neste estudo só se poderá exponenciar.

Hoje em dia, o Benfica continua a ser, de longe, o maior clube Português. No entanto, nada na história é definitivo. Bem sei que sou pessimista por natureza, mas espero mesmo não ter razão ao traçar este cenário negativo. Longa vida ao Benfica.

Link para o estudo (um agradecimento ao seguidor Sérgio San pela partilha) – https://bkp.revistaobservatoriodeldeporte.cl/gallery/1%20oficial%20articulo%20vol6numeneroabr2020rev.pdf

5 thoughts on “SL Benfica – Um gigante a minguar?

  1. Texto muito bom, mas duvido desta parte: «Mais ainda, entre 2003 e 2013, o Sporting foi o clube que mais cresceu, algo que não é coerente com o sucesso desportivo.» É praticamente impossível esse clube ter crescido, pois o sucesso no futebol é o que faz um clube ganhar adeptos, pelo menos em Portugal. Isto é factual e é a razão de o clube regionalista já ter, segundo a sondagem, mais adeptos que os “verdes”.

    Gostar

  2. quanto a mim existem dois pontos para que esta situação aconteça um é o que referes de se tratar os adeptos como clientes.

    mas eu considero que existe outra que tem a ver com a propaganda, que o clube por tudo e por nada faz, de que somos o maior clube e ninguém é maior que nós e coisas do género.
    é uma propaganda sobranceira e arrogante e as pessoas não gostam de arrogantes.

    nunca no passado tivemos necessidade de o fazer e éramos maiores em termos de quantidade de adeptos e em conquistas e por isso éramos um clube simpático.

    é que o ódio que os corruptos implantaram no futebol nacional, até à uns anos nunca tinha crescido alem dos seus adeptos, só se começou a disseminar pela sociedade quando por um lado deixamos de ter uma defesa eficaz em relação aos seus ataques e quando em vez disso passamos a ter a tal comunicação arrogante.

    Gostar

  3. Também eu já entrei em modo Adepto amorfo.
    Tanto porque a actual direcção tem vindo nos últimos anos a travar o Clube, como pelo que vou vendo aos que se apresentam como suportes da alternativa que não auguram nada de diferente!
    Industria “rules” e o objectivo é mesmo minguar o Benfica para por um lado não matar os adversários e por outro dar mais luta no campeonato.
    E, em vez dos adversários se organizarem e crescerem por eles próprios, entendeu-se minar o SLB por dentro.
    Lembra-me aqueles filmes onde, antes de um duelo, se diminuía fisicamente um dos contendores.

    Gostar

  4. Estatisticamente essas comparações não têm hoje qualquer validade, quando foi nos últimos 7 anos que o Benfica mais sucesso desportivo e financeiro teve na sua já longa história. Números que não podem ser negados.

    Serve apenas de propaganda a favor dos dragartos, propaganda que este blogue gosta de fazer, quando se percebe nunca estiveram tão mal, não apenas desportivamente como financeiramente. Não estão falidos, estão mais que falidos!

    Que credibilidade tem essa investigação? Nenhuma. Não sabemos como foi feita. Provavelmente feita sobre os joelhos e paga por algum dos interessados, provavelmente pelo Otário Lopes, mas não foi o Benfica que a pagou. Estas investigações estatísticas custam muito dinheiro quando são bem feitas. O que não é o caso.

    Quando dizem que os com menos de 18 anos não estão incluídos, logo aí vemos que é uma investigação distorcida e falsificada já que foi nos últimos 6-7 anos que o Benfica mais cresceu, os miúdos são quase todos do Benfica, porque foi quando ganhámos mais.
    Um adepto de 16 anos vale menos do que um com 46 anos? Para mim vale mais já que irá viver mais anos.

    Para além disso, deixa de fora 5 Milhões de portugueses emigrantes, 50% da população do continente, quando sabemos que é entre a população emigrante que há mais benfiquistas, provavelmente serão perto dos 70%.
    Quando um blogue está mais interessado em dizer mal do Benfica com a ajuda de números truncados e falsificados a favor dos inimigos do clube percebe-se logo a agenda de quem escreve tais imbecilidades.
    Copiam o Francisco Marques. Mas mal, porque nem esse fdp conseguia dizer tantos disparates.

    Gostar

    1. mas isto é um estudo em portugal não é um estudo de portugueses muito menos de adeptos já que deixa de fora os palops. mas não é isso que esta em causa.
      mas já agora o estudo não servem fiáveis são os números que uma qualquer pessoa manda para o ar isso é que já são fiáveis.

      “quando foi nos últimos 7 anos que o Benfica mais sucesso desportivo e financeiro teve na sua já longa história” acredita mesmo nisso ou é só a gozar com as pessoas.
      ou isso ou acha que o clube foi fundado em 2004, realmente foi em 04 mas de 1900.
      dois títulos de campeões europeus e doze títulos em quinze anos só para começo de conversa.

      que gostem de ser parvos isso lá com cada um agora não façam é dos outros parvos.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s